• Divulgue sua Cidade, insira a widget abaixo do Portal Turístico em sua home page.



História da Cidade

Com uma grande quantidade de áreas verdes, a cidade de Teresópolis está localizada no topo da Serra dos Órgãos, cercada de lindas paisagens como rios, cascatas, somadas a uma rica flora e fauna locais, sendo muitas espécies pertencentes à Floresta Atlântica.
Teresópolis - "Cidade de Teresa" - é uma homenagem à Teresa Cristina, esposa de D. Pedro II, Sendo que a família imperial, encantou-se profundamente com as belezas naturais e clima desta bela região serrana, onde em freqüentes visitas e períodos de férias na região, descansavam. As origens de Teresópolis datam, entretanto, da primeira metade do século XIX.

A primeira descrição oficial de Teresópolis foi feita em 1788 pelo Dr. Baltazar da Silva Lisboa, que em seu relato descrevia a serra e também a Cascata do Imbuí. Porém a região só se tornou conhecida a partir de 1821, quando o português de origem inglesa George March aqui adquiriu uma grande gleba e transformou-a em uma fazenda modelo, com sua sede localizada onde atualmente encontra-se o Bairro do Alto.

A fazenda denominava-se Santo Antônio ou Sant`Ana do Paquequer e acabou por gerar o primeiro povoado de maior importância ao longo do caminho que ligava a Corte à província das Gerais, desenvolvendo de maneira considerável a sua agricultura, pecuária e veraneio da região.

Ao contrário do que muitos pensam, todo o crescimento e posterior desenvolvimento deste pequeno núcleo se verificou no sentido Norte-Sul, isto é, os comerciantes que vinham das Minas Gerais em direção ao porto da Estrela, nos fundos da Baía da Guanabara, passando por Petrópolis, visavam esta região como ponto estratégico de repouso. Só mais tarde, bem mais tarde, é que o fluxo foi alternado no sentido Sul-Norte, com o advento da ligação rodoviária ligando o Rio a Teresópolis, em 1959. Lentamente, o povoado foi se desenvolvendo e passando à categoria de Freguesia de Santo Antônio do Paquequer, em 1855.

Somente em 6 de julho de 1891, através do decreto de nº 280 do então Governador Francisco Portela, a freguesia é alçada à condição de município, passando a denominar-se Teresópolis, sendo desmembrado o seu território do município de Magé.

Daquela época até os dias atuais, Teresópolis continua atraindo cada vez mais, milhares de visitantes e mesmo novos moradores que, como a família imperial, encantam- se com o clima privilegiado, a exuberante beleza de sua paradisíaca paisagem, além dos belíssimos atrativos naturais e culturais. TERESÓPOLIS, A NATUREZA VIVE AQUI! AQUI SE VIVE A NATUREZA.

História da Cidade - Os Bairros
(uma iniciativa SESC Rio)

- Quebra Frascos
Teresópolis é uma terra de luz, de amor e de histórias (às vezes até estórias) para contar. A origem do nome do bairro Quebra Frascos, por exemplo, provém de dois episódios.

O primeiro e menos provável faz referência à época em que George March, nos idos de 1800, costumava trazer amigos ingleses às residências que construíra e alugava no bairro.
Os amigos, fãs do whisky Scotch, navegavam pelos rios das redondezas e, bêbados, mal notavam que, durante o passeio, quebravam os frascos do whisky.

O outro episódio mais contado e provável fala de Quebra Frascos como um bairro de ar puro, muito rico em Ozônio (O3), que mata o bacilo de Koch, responsável pelo contágio da tuberculose e é isótopo - com mesmo número atomico - do Oxigênio (O2).

Em tempos antigos, a incidência de tuberculosos era bem grande. Os doentes eram levados então ao bairro e quebravam seus frascos de medicamento, uma vez que o próprio ar, o repouso e a alimentaçao eram suficientes para a cura. Inclusive há registros de uma clínica para tratamento da tuberculose instalada nas adjacências, onde hoje funciona o Hotel Pinheiros. Pesquisa do Dr. Jorge Ferradeira - historiador e médico


- Alto
A história do bairro se confunde com a história de Teresópolis por ter sido a sede da primeira estação de trem da cidade, inaugurada em 1908, onde desembarcavam figuras ilustres, personalidades políticas e pessoas que vinham em busca da pureza do ar da serra.

Mas, o trajeto não era simples, para vir à Teresópolis levava-se um dia e meio, era preciso pegar uma barca na Praça Quinze, no Centro do Rio de Janeiro, denominado “Vaporzinho Teresópolis”, desembarcar no Porto de Piedade e seguir de trem até Magé, na hora de subir a serra trocava-se o trem normal pelo “cremalheira” para finalmente desembarcar na estação do Alto, que era um dos cartões de visita da cidade. Só em 1920 a linha foi ampliada até a várzea e passava por um túnel na Fazendinha.

Em 9 de março de 1957 o trem desceu a serra pela última vez e a estação foi fechada. Hoje em dia, uma nova construção (inaugurada em 2004) lembra a antiga estação, serve como terminal dos ônibus no alto e praça de alimentação da Feirarte, a famosa Feirinha de Artesanato de Teresópolis que atrai os turistas nos fins de semana.

No Alto também se encontra a Igreja de Santo Antônio, um dos padroeiros da cidade que um dia se chamou Freguesia de Santo Antônio do Paquequer no século XVII, na semana que precede o seu dia (13 de junho) acontece uma grande festa nos arredores da Igreja.
Pesquisa do Dr. Jorge Ferradeira - historiador e médico


- Jardim Cascata
As terras inicialmente pertencentes à família Perry, foram adquiridas pelo arquiteto Pedro Clarck Leite, em 1942, que desenvolveu o local. A característica da Região é a presença da Cascata Guarani que deu o nome ao bairro.


- Agriões
A própria denominação reflete a idéia dos que deram o nome a este bairro da cidade, um vagedo onde se colhiam Agriões.


- Araras
Ave conhecida da qual distinguem várias espécies. O bairro de araras é um dos mais aristocráticos do município, daí, talvez a toponímia.


- Iúcas
Iúcas trata-se de uma planta da família das liláceas, originária do México. Em frente a antiga casa sede do sítio São João, em cuja área surgiu o bairro das Iúcas, pelas mãos de seu realizador Altamiro de Almeida Pinto, existia uma velha touceira de iúca e por isso era comum dizer “lá onde tem aquela Iúca”. E o nome firmou-se adotando-se para o local o nome Vale das Iúcas, ou simplesmente Iúcas.


- Tijuca
A origem do nome vem do Tupi Guarani TY (líquido) JUCA (podre ou barro). Ou seja, líquido podre, brejo, lamaçal, charco. O bairro se originou de uma fazenda chamada casa branca, de propriedade de Augusto Bartel. Um historiador, atesta o pagamento de 40.500 réis referentes ao imposto de décima urbana, cobrado na época. Os moradores da Tijuca tinham o apelido de barro branco porque o bairro era formado de solo tabatinga (barro branco).


-Granja Guarani
O nome foi escolhido por Arnaldo Guinle o realizador do bairro é um lugar de intensas arborizações e poéticas Alamedas. A Origem do nome vem da obra (romance) O Guarani de José de Alencar. Arnaldo Guinle mandou construir um mirante de belíssima arquitetura circular, revestido com excelente trabalho em azulejaria portuguesa, pintado em traços fortes de azul sob azulejos dos ceramistas portugueses Jorge Colaço, datado de 2/9/1929, que representam 4 lendas indígenas. 1º como a noite apareceu, 2º o dilucro, 3º anhangá e o caçador e 4º a moça que saiu para procurar marido. Atualmente quem visita o mirante sofre o impacto primeiro pela beleza da obra e segundo pela depredação de vândalos, que não respeitam o patrimônio histórico (o mirante da Granja Guarani é tomado pelo INEPAC).


- Vale da Revolta
Em 1893 eclodiu a revolta da Armada (Marinha) contra o governo do então presidente Floriano Peixoto. Os marinheiros revoltados subiram a serra e buscaram abrigo em um local que ficou conhecido como Vale da Revolta. O historiador Dr. Jorge Ferradeira tem em suas mãos um relatório denominado “Horrores de Magé” que descreve as atrocidades cometidas pela polícia do Floriano Peixoto no Vale da Revolta. Uma outra curiosidade é ressaltada pelo historiador. No inicio do século XX um vendedor de carvão na praça Baltasar da Silveira observou o seguinte fato: Um dia entrou em seu estabelecimento um indivíduo maltrapilho para comprar carvão. O vendedor notou que ele lia os jornais que embrulhavam o produto .Como naquela época poucas pessoas tinham o privilégio da leitura, ele questionou o cliente se de fato estava lendo. O homem confirmou e em seguida explicou que era um dos revoltados e que estava escondido desde 1893. O vendedor surpreso teve que informa-lo que há muito tempo não havia perseguição e o novo governo já havia inclusive anistiado os marinheiros.


- Prata
Segundo antigos moradores, o nome do bairro surgiu pelas geadas que caíam nas matas e campos e que, com sol da manhã, brilhavam como prata. O certo, entretanto é que o nome deriva da antiga fazenda da Prata, de George Hamon, que desmembrada deu origem à barra do Imbuí, Quinta da Barra e a Prata. O bairro da Prata é o remanescente da fazenda da Prata que originalmente tinha aproximadamente dois milhões de metro quadrado.


- Meudon
Cidade da França, às margens do Rio Sena. A floresta de Meudon cercava, outrora, famoso castelo construído por Luis XVI. Posteriormente, essa floresta tornou-se local de recreio dos parisienses. O nome do local já existia nos fins de período oitocentista, ou seja, século XIX,quando o Dr. Antonio Luis da Cunha Bahiana adquiriu as fazendas localizadas nos atuais bairros do Meudon e Ermitage, onde grandes áreas eram ocupadas por marmeleiros, formando verdadeiras florestas e extensos vinhedos, cuidados por famílias vinda da França para essa finalidade.